domingo, 18 de outubro de 2009

for me

A good editor is a jack of all disciplines: part musician, part magician, part physician, part mathematician, this man or woman must also have a sheer love of the craft, for his or her contribution to a film will be only subliminally appreciated by the masses. How do all of these admirable and diverse traits combine to produce a cohesive motion picture?

So many abstract psychological concepts fuel the basic act of splicing shots together that talking about cutting is like dancing about architecture, to coin a famously discarded movie title. Walter Murch, who has edited films by Coppola and Zinnemann, among others, tackled the impossible question "Why do cuts work?" in his essential 1995 resource In the Blink of an Eye. Few outside of Sergei Eisenstein have answered it in such a concrete, engrossing manner as Murch. The legendary filmmaker has never been one to shy away from a challenge, as his cinematic attempt at "another Oz story" or his accepting the job of constructing the aggressively non-linear The English Patient also demonstrate.

'95 was a good year for Murch; the release of Anthony Minghella's The English Patient set him on course to make history by receiving Oscars for both picture and sound editing. Since then, he has, to great acclaim, retooled Orson Welles' comic noir Touch of Evil according to the forty year old notes of its deceased director, edited Minghella's The Talented Mr. Ripley, and supervised the digital remaster of his Academy Award-winning, six-track soundmix for Apocalypse Now. (If I don't mention it here, I never will: Murch coined the term "sound designer" while working on that masterpiece.)

As a film school graduate and aspiring director whose favourite part of the production process is post, I was grateful for the opportunity to inundate Mr. Murch--an inspiration of mine from an early age (see my Return to Oz review)--with questions about everything under the Hollywood sun. Of the special opportunities Film Freak Central has presented me over the years, this is my most cherished.

Our conversation was conducted via telephone on February 29, 2000. -Bill Chambers

How come you didn't direct again after Return to Oz?
It was a combination of things: the film was ambitious and expensive, and then turned out to be neither a critical nor a commercial success, which is a heavy hit for someone's first directing job. There were a few reviewers who liked it--Mike Clark from USA Today--but most compared it unfavourably to The Wizard of Oz. The climate of the times just wasn't receptive to anything other than the MGM Land of Oz. Or at least not this other view, which was closer to the original books. Then, for a few years afterwards, I tried to get a number of projects off the ground, but didn't have any luck. So I went back to editing and sound mixing, which I love. I had a family to support and kids in college, and directing just didn't seem to be a way I could make a living.

Do you think you ever will [direct again]?
I don't know. I'm proud of Return to Oz and happy that I got a chance to make it, but unless you're extremely lucky in the projects you choose or how things fall into place, you really need a burning desire to direct for the sake of directing, and I don't have that. I was passionate about this particular story, for a variety of reasons, but not about the process of directing per se. And there were a lot of tough things about making Return to Oz, just given the nature of the film--full of creatures and special effects and animals. There was also a reluctance on the studio's part to support it fully--we were put into turnaround six weeks before shooting, and then there were two changes of regime at the studio while we were making the film. The people who started the project left and another group of people came in while we were in production; then they left and the current regime took over.

I love the film, as you know.
Well, thank you.

I argue with people who are inclined to compare it to The Wizard of Oz.
Yes, but that's probably inevitable. We knew going in that it was going to be risky, but it had been 45 years since the original film came out, and I thought enough time had passed for a different sensibility to have a chance--to present a somewhat more realistic view about Dorothy and her life on the farm, and have the film not be a musical. Plus there were now whole new ways of doing special effects and creatures that I thought could be used to make something that looked and felt more like the books themselves, rather than the stagy, vaudevillian approach that had been taken in 1939. I definitely felt that if we had tried to really do a sequel, which is to say, do something in the style of an MGM musical, we would have been in even greater trouble, because there's just no way you can reinvent that particular combination of people, technology, and attitude, which really reached a peak in the late 1930s and never recovered after the war.

In 1985, Back to the Future was the kind of movie that people wanted to see.
Yes, as it turned out. You never know, though. We started down our particular road with Return to Oz in 1981.

Did you initiate the project?
I did. I had been approached by Disney in 1980--they had pulled my name from a short list of people who were doing interesting things in film and might someday direct. I went down to LA for an interview with Tom Wilhite--it was just a fishing expedition on both of our parts. But one of the questions he asked was, "What are you interested in that you think we might also be interested in?", and I said, "Another Oz story." I had grown up with the specific books on which Return is based, The Land of Oz and Ozma of Oz--in fact they were the first 'real' books I ever read on my own. And Tom sort of straightened up in his chair because it turned out, unbeknownst to me, that Disney owned the rights to all of the Oz stories. And they were particularly interested in doing something with them because the copyright was going to run out in the next five years. So, we went through the usual developmental phases: I wrote a treatment with Gill Dennis, they liked it, I wrote a script with Gill and they liked that, and eventually, much to my amazement, I was in England on a soundstage saying "Action!" with all of these Oz creatures around me.

"[Return to Oz] was a difficult film to distribute, as we found out, given the zeitgeist of the mid-'80's. Maybe any zeitgeist."

Was it a difficult shoot?
Certainly for a first film, it was. There were a hundred and fourteen days of shooting, which is a lot, and the character of Dorothy, played by Fairuza Balk, is in almost every shot. She was absolutely great, a fantastic ally in the making of the film, but there are laws in England and the United States that limit the amount of time you can shoot with a child actor, so it put great strains on how much we could do each day. Add on top of that all of the creatures she was with--puppets and claymation and animals. That old adage about never making a film with a child or an animal: we had not only a child and animals, talking chickens and dogs and all of that, but also puppets, each operated by three or four people, radio controlled devices, front projection, and claymation (for the nomes) that wasn't there at the time of shooting. All of the claymation was done in post-production, so when Fairuza had to act with the nomes, she was just looking at a piece of tape on a wall, having to imagine it as something else: the Nome King--we had done some drawings but, exactly how it was going to turn out, we weren't absolutely certain at the time.

Anyway, on top of all that, the studio was so unhappy with the material that they were seeing, and the fact that we were falling behind schedule, that after five weeks they fired me off the film.

That I didn't know.
Yes. I only got back on board because George Lucas, who's a friend, heard about what happened and flew to England from Japan, where he was at the time. He met with me and looked at what I had shot, then met with the Disney executives and said "No, this is going to be great, you guys just have to be more patient with this process, let's see what can be done to facilitate it." And he guaranteed the rest of the production--he said that if something else happened, he would step in and take control. That was enough to make the executives at Disney feel more confident about what was going on, and I was back directing again after a few days. It was a fantastic act of generosity and commitment on his part.

Did you get final cut?
In a weird way, I did. I didn't have final cut, but the studio executives changed again--this film lived through two changes of management, as I said, so that by the time I was in post-production, there was a whole new management at Disney. And they were not really interested in Return, probably because it was so dark, and not a musical, and particularly because it had been started by an executive two generations earlier, and so they mostly ignored it after it did not do so well in previews, which was both good and bad. The good part was that I was able to complete the film I wanted to make, the bad part was that they didn't really get behind its release. Having said that, it was a difficult film to distribute, as we found out, given the zeitgeist of the mid-'80's. Maybe any zeitgeist.

Were you approached to contribute supplemental material to the DVD release?
Yes. I was in Italy working on The Talented Mr. Ripley when I got a call from somebody at Anchor Bay asking if I had any supplemental material, which I did. Also, there was a 30-minute "making-of" film. But in the end, I guess they decided not to include any of it.

That's a shame, because I thought it would make for a wonderful Special Edition.
Yes, obviously DVDs are ideal for this kind of packaging.

And the movie does have a cult following, so a Special Edition probably would have sold well; are you happy with the DVD?
It's got more scratches and dirt on it in the beginning than I would like to see. It's very easy to clean that stuff up when you're making a video master, and I'm sorry they didn't do that. Otherwise, I'm generally happy.

And it contains the original sound mix?
Yes, they used what is now called the 5.1 mix. Return to Oz had a 70mm six-track mix which is what we call 5.1 today.

Was Return to Oz shot in 70mm?
No, it was shot in 35 and we did a blow-up. Which is the same as Star Wars, Apocalypse Now, Indiana Jones. Back then, a 70mm print was the only way to get six-track sound on your film. Optically, you don't gain anything unless your original negative is 70mm.

Are you a fan of DVD?
I'm in favor of anything that improves the quality of the image and sound, and which allows you to get an entire movie on one disc. CONTINUED...


quarta-feira, 26 de agosto de 2009

A Ressaca

"Se beber não case" (Hangover 2009) é de fato uma puta comédia, fui ao cinema com meu namorado, Mariano. Ele queria ver um Romance e eu qualquer coisa que não fosse isso, mas como foi ele que me chamou ai falei " não amor é com você", mas ai ele manda " não eu também quero ver essa comédia". Acabou que fui por agradar meu namorado. Sim me ferrei, não que o filme que ele escolheu fosse ruim, aliás ele escolhei porque ele tem uma prática de escolher na duvida o que vai passar na proxima sessão. É tipo roleta russa, sem saber o que vai passar. Sobre o filme que escolhemos por acidente: É um tal de Budapeste, muito cabeça e meio confuso, porque é metalinguístico. eu fiquei puto por que passou o trailer do outro filme que eu tinha escolhido e acabei não indo. PQP! Logo na minha cara!
Mas tudo bem marquei de ir hoje no dia dessa postagem. E fui o filme é muito massa! Além de ter o ANdy Bernard do The Office (Bradley Cooper), que gosto muito!
Como sou preguiça vou passar a critica do Rapadura

O título original de “Se Beber, Não Case!” não poderia ser mais apropriado: “A Ressaca”. Misturando elementos das antigas comédias oitentistas e o neo-humor cinematográfico criado pelo cineasta Judd Apatow, o longa é uma ótima e engraçada experiência, que merece o sucesso de bilheteria que alcançou nos EUA.

Todo mundo faz algo que se arrepende quando toma um porre, seja em menor ou em maior grau. No entanto, os personagens de “Se Beber, Não Case!” levam esta afirmação para um nível completamente diferente. Dirigido por Todd Phillips (do hilário “Dias Incríveis”), o longa conta as desventuras de quatro amigos em Las Vegas antes do casamento de um deles.

O noivo, Doug (Justin Bartha), está preparado para a vida adulta e parece realmente apaixonado por sua noiva. Levando-o para sua festa de despedida estão o já casado ex-festeiro Phil (Bradley Cooper), louco para reviver seus dias de glória, e o reprimido dentista Stu (Ed Helms), completamente dominado por sua namorada megera. Além desses três há o futuro cunhado de Doug, o insano Alan (Zach Galifianakis), cuja estupidez faria Homer Simpson parecer Albert Einstein.

Hospedados em uma suíte de luxo na cidade do pecado, os quatro começam a noite de farra tomando um licor e depois... apagam completamente. Phil, Stu e Alan acordam com uma ressaca mitológica, com o quarto destruído, na companhia de um tigre e um bebê e, para piorar, sem Doug. Faltando um pouco mais de um dia para o casamento, os três saem em busca do noivo perdido, coletando pistas do que ocorreu durante a noite anterior.

Antes de qualquer coisa, “Se Beber, Não Case!” não se apresenta como um filme escrachado, mas como uma produção com situações escrachadas. A diferença é imensa, consistindo no fato de que a premissa básica do filme podia muito bem ser encaixada em um thriller ou em um suspense, mas os eventos pelos quais os personagens passam são extremamente absurdos, levando não só ao riso, mas fazendo parte da própria história da fita, quase que como uma evolução do que o trio ZAZ produzia nos anos 1980.

Aquelas figuras na tela jamais agem como se soubessem que tem a obrigação de serem engraçados, mas o riso do público vem como uma consequência natural do roteiro e das performances dos atores. Isto não é inédito, bastando lembrar que em “Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu!”, o médico vivido por Leslie Nielsen jamais se comportava de maneira histérica, mas levava o público às gargalhadas graças ao seu jeito.

A evolução está em aplicar esse efeito na história, com os personagens se surpreendendo junto ao público com os absurdos que presenciam, além destes contribuírem para o seguimento da trama. Esse tipo de humor presente em “Se Beber, Não Case!” é bem mais efetivo que aquele mais rasteiro (e ofensivo) realizado, por exemplo, pelos irmãos Wayans, que nunca tiveram - e nem terão – a sutileza e o talento para realizar um trabalho desses. Esse modo de fazer rir é extremamente mais trabalhoso, exigindo compromisso e química por parte de seus atores.

Felizmente, isso não falta no cast deste projeto. Bradley Cooper é um exemplo disso. O seu Phil, a princípio, parece ser o ser humano mais egoísta e superficial da Terra, mas o ator o interpreta como uma pessoa comum e, ao final do filme, vemos que o sujeito é bem mais profundo do que pode parecer à primeira vista, algo que o ator percebe e utiliza. Stu, que seria o elemento sério do grupo, se solta aos poucos graças à cadeia de eventos que se seguem, com o seu intérprete, Ed Helms, sabendo como mostrar tal mudança do personagem aos poucos, sem jamais forçar uma guinada artificial.

O grande destaque do elenco certamente é Zach Galifianakis, que rouba a cena com seu insano Alan. O mais engraçado nesse personagem é sua aparente falta de malícia, parecendo que suas ações estúpidas são motivadas apenas por sua burrice, tornando-o, em certo ponto, até inocente. Por sua vez, o Doug de Justin Bartha, aparece pouco, servindo mais como o MacGuffin do filme.

O elenco secundário também é excelente, com ótimas participações de Heather Graham (mais uma vez em um papel sensual), tendo uma ótima química com o grupo principal, além de Jeffrey Tambor, um dos meus atores favoritos que surge em uma quase-ponta como o futuro sogro de Doug, que dá “bons conselhos” para o genro. Vale ainda ressaltar o trabalho de Ken Jeong como o insólito Chow, que dá uma visão mais... sensível para os gângster orientais. Quem também aparece na tela é Mike Tyson, bastante sentimental e compreensivo, mas “ainda é o cara!” (pelo menos no filme).

Todd Phillips conduz a fita de maneira impecável, sabendo instigar o público a se importar com o “mistério” do filme sem com que o fator comédia seja esquecido. É interessante notar que o cineasta sabe lidar com o fundo da tela, algo bastante importante para os filmes do citado trio ZAZ e que volta a ter importância aqui (vide a cena da batida).

O diretor consegue inserir o espectador em Vegas sem jogar a cidade na cara deste a cada cinco minutos, utilizando até a memória do público do lugar vinda de outros filmes, seja por músicas ou pequenas homenagens visuais. Isso, é claro, seria impossível sem um bom trabalho de design de produção e direção de arte, além de uma tremenda trilha sonora, que utiliza sons de todos os gêneros.

Louve-se ainda o ritmo do filme, com ótimas passagens de tempo (maravilhosa a que mostra a transição da noite da farra para o dia da ressaca), bem como a fotografia mais granulada e “pesada” do longa, remetendo a como a pessoa se sente após uma bebedeira.

“Se Beber, Não Case!” é um caso (infelizmente) cada vez mais raro de filme que não precisa ser imbecil para fazer rir. Mesmo sendo uma comédia despretensiosa, se apresenta com uma estrutura inteligente, tratando-se de uma produção surpreendentemente efetiva e engraçada. Recomendado.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

RandomCast #5 - churrasco casa de Alex

Saudações, mais um RandomCast, numa versão um tanto descontraída. Ao ponto de até criar uma certa polêmica, pois quando os Narcóticos entram na veia: Eis o soro da verdade.
Apesar de infelizmente ter perdido 3 horas de material onde altas revelações chocantes foram extraidas. pensei depois : "acho que Deus sabe o que faz". se esse material saisse talvez até poderíamos ter fogueiras dentro de casa!

Nesse episódio aprenda a calar a boca enquanto Alex metralha a lingua com suas teorias malucas, fala mais que Fidel Castro, mesmo editado ele falou pra cacete!

Alex "Igéshua"
Harisson "La criatura"
Gus " Macho Alpha"
Fred " o Fredo"

Só espero que levem na esportiva ou então acionem nosso departamento jurídico!

bom Podcast!

Cliquem no link logo abaixo !

se não funcionar faça isso!
Observação: Usuários idiotas que usam Internet Explorer favor quando clicar no link abaixo, (Audio mp3) clique com direito do mouse e escolham a opção "Salvar destino como..." para conseguir baixar o episódio! gracias!

OU no Firefox clicar com o direito " salvar link como..."

RandomCast#5 RandomCast #5 - 74 min. @96 kbps

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A crise financeira na música

Continuando nosso especial "MúGica" vai mais essa:
Essa é Theresa Anderson, uma garota que gosta muito de música e apesar das dificuldades criadas no decorrer da crise financeira que atingiu seu alge no ano passado, acabou demitindo boa parte de sua banda e manteve a qualidade de seu trabalho.

domingo, 12 de julho de 2009

Saber samplear

Quem sabe o mínino de música sabe que Samplear as vezes é o que há! É uma forma prática de principalmente automatizar uns acordes para evitar erros, é o que acho, com a prática que tenho no FL Studio. Outra parada é saber usar esse macete de forma a não cansar e se misturar de forma homogênia no resto do som produzido. Ao contrário do pessoal que produzem samples mega chatos, tipo funk, que se tirar o vocal você não sabe de onde veio, pois poderia ser de várias músicas.

Ai certo dia no twitter achei Marcelo Tas falando desse video e fiquei intrigada como foi feito essa sampleação, no video fala que foi ao vivo, mas já seria algo muito foda mesmo sendo editado. E se fosse ao vivo ele teria que ensaiar muito.
Pesquisei sobre esse David, e não achei nada além desse trabalho que apesar de bem executado não passa de uma canção banal se não fosse o vídeo que vocês verão.

Tanta gente usa sampler para aborrecer nossos ouvidos. Aí vem esse menino, David Ford, e mostra, ao vivo, quanta simplicidade e beleza pode acontecer num batuque digital.
- Marcelo Tas-
fonte: Blog do Tas
Update or die

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Ultimos Passos

Segue abaixo um dos últimos registros do rei do pop, dois dias antes de morrer. Realmente ele ainda mandava bem, ou talvez as drogas estavam fazendo ele mandar bem... sei lá também não importa.
O que importa agora é como vão ressarcir os milhares de fãs que gastaram muita grana pelo ingresso e como a AEG vai contornar um prejuízo de 950 milhões de reais, olha que prejuízo!
só sei que mesmo se lançarem o dvd desses ensaios num vai dar pra cobrir esse rombo, se sabendo que a pirataria corre solta...

Se você comprou ingressou ou não, veja ai o que vocês perderam:

quarta-feira, 1 de julho de 2009

De Mortal Kombat a God of War

Depois que mikin falou que ficou abismado com o furor causado por este jogo, algo que segundo ele não via desde Mortal Kombat, fui dá uma olhada. Também joguei Mortal Kombat apesar de sofrer nos fliperams da vida por ser mulher. Lembro bem nakela época que estudante tinha que tirar a camisa do uniforme pra o dono liberar sua presença no santo recinto, uma legião de magrelos descamisados!
Lembro também de Bené (primeira vez que fui num fliperama, localizado na alberto torres em frente a facul de medicina) fazendo a piadinha infeliz " bem querida você também precisa tirar a camisa se quiser ficar aqui", numa época que nem peitos eu tinha.
voltando pro presente onde esses viadinhos só jogam dentro de casa, debaixo das asas das mamães. Aqui vou eu apresentar esse jogo que reflete a evolução em nível de violência se mmotivo: GOD Of War 3 para playstation 3, com lançamento previsto pra 2010.
Sim! é o game play. 13 minutos de tripas o coisas que vem junto! gostei dos gráficos, apesar de achar que a camera fica muito longe do personagem, prejudicando a percepção das porradas.
Outro problema é que a jogabilidade se parece com aqueles "aperte esses botões até morrer" e a "defesa é a cara".
Quer dizer comandos simples que qualquer mongou consegue desferir, outra coisa é que a cada inimigo derrotado seu life aumenta, resumindo qualquer mongou consegue zerar, impossível perder.

Mas que saudade dá epoca das ruas aquilo sim era aventura...

chega de papo e vejam ai o game play: